Votos do utilizador: 5 / 5

Estrela ativaEstrela ativaEstrela ativaEstrela ativaEstrela ativa

A Associação Portuguesa de Seguradores (APS) vai reunir nos próximos dias para analisar impacto da medida que foi aprovada estahouse0206 semana na comissão de orçamento e finanças.

A proposta do PS, aprovada por unanimidade na terça-feira, parece abrir a porta ao resgate antecipado dos Planos Poupança Reforma (PPR). Segundo a nova redacção da lei, os portugueses poderão recorrer ao resgate antecipado dos seus PPR, sem penalizações e sem perda de benefícios fiscais, para pagarem prestações do seu crédito à habitação. Em resposta ao Diário Económico, a APS prefere não comentar para já o alcance da medida, já que a considera "vaga", adiantando que irá reunir nos próximos dias uma comissão para analisar o o seu impacto no sector.

Estrela inativaEstrela inativaEstrela inativaEstrela inativaEstrela inativa

As remunerações dos depósitos a prazo têm vindo a cair ao longo dos últimos meses e já não são tão atractivas face ao ano passado.Buy 1

O último ano pode equiparar-se ao "El Dorado" para os adeptos dos depósitos a prazo. A escalada das remunerações que chegaram a atingir os 7% em alguns casos, levou a que os aforradores portugueses se rendessem a este tipo de aplicações. Mesmo num ano de crise económica, os bancos conseguiram angariar em 2011 o segundo valor mais elevado de sempre em novos depósitos a prazo: perto de 117 mil milhões de euros, segundo dados do Banco de Portugal. Contudo, a realidade actual é bastante diferente. Há vários meses que a remuneração dos depósitos a prazo vem a cair. Em Julho, a média das taxas de juro das novas aplicações a prazo foi de 3,16%, consideravelmente abaixo dos 4,53% que se verificava em Outubro do ano passado, altura em que estas bateram máximos. Perante essa evolução, há uma pergunta que se impõe colocar: Face à recente quebra nas remunerações dos depósitos a prazo, terá terminado o reinado dos depósitos a prazo e será a altura dos aforradores portugueses focarem as suas atenções noutro tipo de aplicações? Os números e as opiniões dos especialistas mostram que o investimento em depósitos continua a fazer sentido, mas a concorrência de aplicações com retornos atractivos é cada vez maior.

Estrela inativaEstrela inativaEstrela inativaEstrela inativaEstrela inativa

Saiba quem chamar e que direitos tem para verificar se existem anomalias nos contadores ou nas faturasau travail-38

São muitas as queixas sobre anomalias detetadas pelos consumidores nas faturas de eletricidade e água. Mostramos-lhe agora como deve agir enquanto consumidor, e que custos podem acarretar esses processos, quando há suspeitas de que está a pagar a mais pela luz e pela água que gasta em casa.

No caso de suspeitas na fatura de eletricidade, pode pedir à empresa fornecedora de energia que desloque técnicos a sua casa. Essa primeira inspeção tem custo zero. Mas se não concordar com a conclusão dessa equipa, pode exigir à empresa de energia uma auditoria independente, feita por uma entidade externa.

Estrela inativaEstrela inativaEstrela inativaEstrela inativaEstrela inativa

Businessman 19

Incidência e exclusões 

Pessoas abrangidas
As contribuições para a segurança social incidem sobre as remunerações (em regra efectivas, em alguns casos, convencionadas) dos
- Trabalhadores por conta de outrem
- Membros dos órgãos sociais
 - Trabalhadores independentes/empresários


Prestações excluídas
1 Ajudas de custo até aos limites previstos para efeitos de IRS
2 Complemento de pensões
3 Complementos de subsídios de doença

Votos do utilizador: 1 / 5

Estrela ativaEstrela inativaEstrela inativaEstrela inativaEstrela inativa

Governo quer «reanimar» aposta na poupança e decidiu aumentar a taxa de juro dos CertificadosBuy 1

As Finanças querem inverter a tendência de fuga aos Certificados de Aforro. Por isso, o Governo decidiu aumentar a partir desta segunda-feira os juros pagos nos Certificados das séries B e C para captar mais poupanças.

Ambas as séries terão um retorno de cerca de 3,2%, sendo que o juro pago trimestralmente oscila em função da cotação da Euribor a 3 meses, não podendo assim ultrapassar os 5%.

Ora, esta remuneração fica acima de grande parte dos depósitos a prazo cedidos, atualmente, pelos bancos. Se tivermos em conta dados do Banco de Portugal (BdP), a taxa média praticada nos novos depósitos a prazo situou-se nos 3%, no mês de junho, para aplicações até um ano.

É certo que há depósitos com taxas superiores, mas esses também obrigam a subscrições mínimas, que em alguns casos chegam a rondar os 2 mil euros ou mais.