Estrela inativaEstrela inativaEstrela inativaEstrela inativaEstrela inativa
 

Com um salário médio semanal equivalente a 675 euros, o Canadá acaba de criar o “Express Entry”, que acelera o processo de resposta a quem quer ir trabalhar para o país.

Com uma comunidade de 470 mil imigrantes e luso-descendentes, o Canadá considera os portugueses "muito trabalhadores". Por isso, convida quem queira emigrar para o país a candidatar-se ao novo sistema "Express Entry". Saiba se tem condições para concorrer e quais as áreas em que há mais oportunidades de emprego.

1. O que é que muda com o novo sistema de Express Entry?

Com a entrada em vigor do sistema de "Express Entry", a 1 de Janeiro de 2015, aumentou a rapidez com que são analisados os pedidos de entrada no país. O processo de candidatura torna-se mais fácil. Basta preencher um formulário online disponível em http://www.cic.gc.ca/english/immigrate/express/express-entry.asp. Nesse portal deverá traçar o seu perfil descrevendo as suas habilitações, experiência profissional e competências no domínio de línguas. Se preencher as condições mínimas exigidas entrará numa base de dados de currículos que será analisada e que terá resposta no prazo de seis meses. A "candidatura será analisada mais rapidamente do que antes através de um sistema electrónico de candidaturas", explicou o ministro responsável pela Imigração quando lançou o novo sistema. Os candidatos escolhidos receberão um convite do governo para ir trabalhar para o país. No lançamento do programa, o ministro da Cidadania e Imigração, Chris Alexander, afirmou que os primeiros convites serão feitos até ao final deste mês.

2. Quem é que se pode candidatar?

Existem três grandes portas de entrada neste sistema de "Express Entry". A primeira corresponde a trabalhadores que tenham pelo menos um ano de experiência profissional a tempo inteiro ou o equivalente a 1.560 horas de trabalho. O segundo grupo são candidatos com especialização em trabalho manual como canalizadores ou electricistas. Em terceiro, quem tenha tido uma experiência profissional no Canadá nos últimos três anos.

3. Tenho que saber falar línguas?

É imprescindível dominar uma das duas línguas oficiais: francês ou inglês. Para concorrer terá de apresentar os resultados do teste IELST de domínio do inglês ou CEF que avalia o domínio de francês. Quem dominar as duas línguas terá uma vantagem adicional.

4. Como são ordenados os candidatos?

O sistema de avaliação das candidaturas é feito com base numa pontuação. São avaliados seis factores principais: o domínio que tem de inglês ou francês, a sua formação, a experiência profissional, a sua idade, se teve uma oferta de emprego e a sua capacidade de se adaptar ao país. Ter uma qualificação, ou ter entre 20 e 29 anos dar-lhe-ão pontos adicionais. Assim como ter experiência profissional. Os candidatos que tiverem a maior pontuação receberão um convite do governo para se candidatar a ir trabalhar para o país. Terão depois que o formalizar no prazo de dois meses.

5. Quais são as profissões mais procuradas no país?

Com uma taxa de desemprego média de 6,6% (metade da registada em Portugal), o Canadá elaborou recentemente um estudo com projecções das necessidades de mão-de-obra até 2022. O estudo prevê que, só este ano, existam 98 mil oportunidades de emprego no sector da saúde e serviços de assistência social que registará, até 2020, um crescimento de 1,8% nas oportunidades de emprego. Segue-se o sector do retalho com 66 mil oportunidades e a construção com 57 mil novos lugares. Também o sector mineiro e do 'oil & gás' será o que registará maiores subidas na procura com crescimento do emprego. Assim como a indústria automóvel e o sector de desenho de sistemas informáticos.

6. Quanto se ganha no Canadá?

O salário médio semanal é de 675 euros, o que significa 2.700 euros por mês. O salário é pago à semana e inclui a parte correspondente dos subsídios de Natal e de Férias. O valor pago por hora em cada profissão é definido pelas organizações sindicais. Assim, um trabalhador da construção civil é pago, em média, a 22 euros por hora e recebe semanalmente as horas que trabalhou. O que significa que um trabalhador desta área pode receber, em média, 860 euros limpos por semana.

7. Qual o custo de vida?

Com excepção da habitação, o custo médio de vida é próximo do português. Um apartamento numa grande cidade poderá custar entre 700 e 1.100 dólares canadianos mensalmente (592 a 786 euros). Já uma vivenda grande poderá custar até dois mil dólares canadianos (1.430 euros). De acordo com as estimativas apresentados pelo governo, poderá gastar em alimentação por pessoa entre 200 a 300 dólares por mês (143 a 215 euros). Uma refeição numa cadeia de 'fast food' custa entre 4 a 6 dólares por semana ( 3 a 4,5 euros) e num restaurante entre 10 a 25 dólares (7 a 18 euros). Um litro de gasolina custa até 1,5 dólares (1 euro). Já o café chega a custar 1,7 dólares (1,2 euros). Em média os canadianos gastam entre 35% e 50% do seu rendimento na habitação, alimentação e despesas básicas.

8. Quanto se paga de impostos?

A carga fiscal federal vai de 15% a 30% do rendimento bruto. Assim se o salário for inferior a 44 mil dólares (31 mil euros) pagará apenas 15%, se ultrapassar os 138 mil dólares (98 mil euros) chegará aos 30%. A que deve acrescentar uma taxa estadual que ronda os 10%.

9. Quanto se paga pela educação e saúde?

Os primeiros 12 anos de escolaridade são gratuitos. As propinas nas universidades podem chegar aos 60 mil euros nas melhores universidades.

10. Quais as temperaturas médias do país?

No Verão as temperaturas rondam os 35 graus, mas no Inverno podem chegar aos 35 graus negativos.

11.Como é vista a comunidade de emigrantes portugueses?

"Os portugueses são muito bem vistos pelo seu profissionalismo e distinguem-se pelo seu dinamismo, empreendedorismo e ambição face a novos desafios. Formam parte do importante mosaico multicultural canadiano", revela o embaixador do Canadá em Portugal, Jeffrey Marder. Existem vários casos de sucesso, nomeadamemente os ministros das Finanças no Ontário, Charles de Sousa, e Carlos Leitão, no Québec.


 

Jeffrey Marder - Embaixador do Canadá

"O multiculturalismo é uma característica fundamental da identidade e herança nacional do Canadá. Ao longo da sua história, o Canadá recebeu milhares de imigrantes de diversas nacionalidades, origens étnicas, religiosas e culturais, tornando a sociedade canadiana cada vez mais plural e diversificada. Em 2014, mais de 250,000 pessoas de todo o mundo emigraram para o Canadá que se orgulha de ser uma sociedade pluralista que respeita a liberdade individual, a democracia, os direitos humanos e o respeito pela lei. Apesar do discurso xenófobo a que assistimos em muitas partes do mundo, a diversidade cultural no Canadá tem sido sempre reconhecida como uma vantagem no mercado doméstico e também como um importante contributo para a prosperidade da economia e sociedade canadiana".

Célia Silvestre - Reporting and Analytics Associate

Tem 27 anos e nasceu no Canadá. Veio para Portugal concluir o ensino secundário e universidade e ainda trabalhou na editora Big Four em Portugal, mas em 2012 voltou para Toronto, onde vive actualmente. "Porque encontro mais oportunidades do que em Portugal", diz. Trabalha na maior cadeia de lojas de sapatos, onde elabora relatórios de apoio à gestão. E diz que a maior vantagem do Canadá "é a possibilidade de fazer carreira naquilo que gosto" e o "contacto com muitas culturas diferentes."


Fonte: Económico