Estrela inativaEstrela inativaEstrela inativaEstrela inativaEstrela inativa
 
Saltar de emprego em emprego– mudar de empregos com regularidade para promover os interesses pessoais da sua carreira
– tornou-se uma das tendências mais significativas da nova economia. No entanto, muitas pessoas ainda questionam até que ponto isso é aceitável.
Apesar de o ajudar a desenvolver a sua carreira, arrisca-se a adquirir a reputação de não ser confiável ou de ser mercenário. Em França, uma pesquisa sobre atitudes empresariais em 2000 conduzida por um instituto de emprego (Association Pour l’Emploi des Cadres) concluiu que dos 3,000 directores entrevistados, 33 por cento planeavam deixar as empresas em que trabalhavam dentro de um ano.
Algumas empresas no sector das TI informaram que a rotação de pessoal chega a atingir 45 por cento num período de seis meses. Isto é uma grande mudança para um país como a França, onde se considerava precipitado mudar de emprego mais do que uma vez em cada seis ou sete anos. Num passado não muito distante, as empresas francesas, e a administração pública em particular, tinham a lealdade em alta estima e os sindicatos poderosos trabalhavam no sentido de promover a segurança no trabalho.

O que é que mudou?

Saltar de emprego em emprego está para ficar

Uma explicação clássica para saltar de emprego em emprego é que um período temporário de grande oferta de trabalho, dá às pessoas uma variedade mais alargada e atractiva de opções e reduz o risco de desistir. No entanto, há boas razões para acreditar que o que se está a passar no mercado de trabalho francês, a no resto da Europa, é mais permanente. Os desenvolvimentos da nova economia criaram uma procura para trabalhadores móveis. Na indústria de TI nos EUA, o período de estabilidade no emprego para trabalhadores a tempo inteiro não é mais do que 13 meses.

De acordo com o especialista de carreiras Bob Weinstein, saltar de emprego em emprego tornou-se tão vulgar nas indústrias associadas com as TI que, não mudar com alguma regularidade pode prejudicar o desenvolvimento da carreira profissional. Por exemplo, um período de longa estabilidade laboral pode dar imagem de falta de iniciativa, criatividade inadequada ou falta de vontade de tentar coisas novas. A actual tendência de saltar de emprego em emprego, também passa a ter que ver com a forma como as grandes empresas se organizam.

Estruturas hierárquicas associadas com a velha economia, ofereciam um leque de oportunidades para progressão dentro das organizações. No entanto, se trabalha numa moderna organização de estilo "plano" tem mais probabilidades de se encontrar bloqueado, sem ter para onde subir. Para desenvolver a sua carreira o mais certo é que tenha que olhar para outro lado. Risco de que o tiro saia pela culatraSaltar de emprego em emprego está-se a tornar cada vez mais aceitável em mais e mais sectores, à medida que o aumento de empregos relacionados com tecnologia tem também impacto noutras áreas.

No entanto, não há regras e em muitos casos um historial de saltar de emprego em emprego pode não ser visto positivamente. Muitos empregadores franzem as sobrancelhas àqueles que saltam de emprego em emprego se acreditarem que só o dinheiro os motiva. Outros podem ver aqueles que saltam de emprego em emprego como um sinal de que é difícil ao candidato relacionar-se com os colegas de trabalho. Os empregadores têm mais tendência para ignorar estas preocupações quando não se podem dar ao luxo de serem muito selectivos, mas noutras circunstâncias eles hesitam quanto a empregar pessoas que eles vêem como mercenários ou inadaptados.

Em áreas onde a confiança e lealdade são muito valorizadas, os que saltam de emprego em emprego mantêm-se definitivamente como um não. Em engenharia, por exemplo, os empregadores querem um compromisso com projectos que podem levar anos até à sua conclusão.

Em geral, se o candidato está à procura de um emprego que requer um longo período de treino – e como tal um alto investimento por parte do empregador – terão que promover algum tipo de garantia de que se podem comprometer por um período mais longo. Um historial de saltar de emprego em emprego definitivamente prejudicará a sua capacidade de arranjar emprego.Conselhos para os que saltam de emprego em empregoSe você é um activo saltador de empregos, tem que se apresentar com cuidado a potenciais empregadores.

Se quer saltar em vez de tropeçar, tenha presentes os seguintes conselhos:
Apresente-se de forma a convencer potenciais empregadores de que tem estado conscientemente a adquirir experiência e a desenvolver as suas capacidades. Isto ajuda a eliminar a suspeita de que você está somente atrás de um salário alto e status.
Vincule ao seu anterior comportamento de saltar de emprego em emprego, experiências valiosas que tenha adquirido.
Pense naquilo que o motiva. Tem um plano a longo prazo de desenvolvimento da sua carreira?
Tente deixar anteriores empregos em bons termos. Explique a sua decisão ao seu chefe e termine satisfatoriamente os projectos que se encontravam a seu cargo.
Nunca critique o seu empregador anterior. Centre a sua atenção nos aspectos positivos da empresa a que está a concorrer em vez das razões porque deixou empregos anteriores.Saltar de emprego em emprego pode ser uma estratégia de carreira positiva, mas tenha em atenção que se não for apresentada correctamente, pode prejudicar as suas oportunidades de emprego.


Fonte:"http://www.stepstone.pt"