Estrela inativaEstrela inativaEstrela inativaEstrela inativaEstrela inativa
 

Empresa anunciou ontem entrada em Portugal e está à procura de funcionários e investidores.Cabify recruta taxistas em Portugal

A Cabify, plataforma que presta serviços de transporte concorrente da Uber, anunciou ontem a entrada no mercado português e não perdeu mais tempo, tendo já lançado um processo de recrutamento de funcionários e investidores. A empresa espanhola, que já actua em 14 cidades de vários países - entre eles Espanha, Brasil, México, Peru e Chile - usou o Facebook para anunciar a chegada a Lisboa.

Agora, a empresa está a utilizar a plataforma de recrutamento OnboardIQ para começar a construir a sua força laboral no nosso país. A Cabify está à procura de condutores que poderão conduzir o seu próprio carro ou um carro da empresa, mas também de investidores, como donos de 'rent-a-car' ou de agências de viagens. No anúncio, a empresa pisca também o olho aos empresários do sector do táxi.

"Somos a empresa de tecnologia líder no transporte privado de passageiros em Portugal, junta-te a nós e faz parte desta nova forma de trabalhar. Estamos à procura dos melhores parceiros e motoristas", pode ler-se na página de Internet em causa, com um simples formulário que os interessados podem preencher.

O serviço é semelhante ao disponibilizado pela Uber, que tem centralizado a ira dos taxistas um pouco por todo o lado, incluindo em Portugal.

O valor da viagem é calculado apenas com base na distância percorrida, ignorando o tempo passado no trânsito. O preço da deslocação é revelado ao cliente assim que este acede à aplicação e escolhe a viagem. Sendo que o valor do percurso é calculado apenas com base na distância percorrida, ignorando o tempo passado no trânsito. Tal como a Uber, tem a versão light e executivo.

Este tipo de serviços tem sido recebido com hostilidade pelos taxistas em todo o mundo, que o consideram concorrência desleal. Ainda na semana passada, milhares de taxistas marcharam em protesto contra a Uber desde o Parque das Nações até à Assembleia da República, em Lisboa. O percurso demorou seis horas e entupiu a cidade.

Fonte: Economico